Loading...

Blog

  • O futuro do planeta

    tags:

    Cerca de 140 Chefes de Estado e de governo estão reunidos em Copenhaga, a discutir a questão das alterações climáticas. A poucas horas das grandes decisões, se é que as vamos ter, a cimeira tem sido marcada pelos nacionalismos extremados da maior parte das nações: a China, país com as maiores emissões do mundo, aguarda pelas metas dos americanos (não nos esqueçamos que nem estes nem aqueles assinaram o Protocolo de Quioto); a Índia diz que as suas emissões são inferiores às dos países industrializados; os países africanos exigem uma nova ordem internacional; a Austrália exige mais flexibilidade negocial! Como se o mundo estivesse reunido a discutir apenas um negócio!

     

    Tenho a sensação clara que a maior parte das pessoas ainda não percebeu que estamos à beira do colapso. Na Cimeira de Copenhaga discute-se a sobrevivência do planeta: o aquecimento global, a contaminação da água, a destruição da biodiversidade. Nenhum país pode ficar de fora. Nenhum de nós - na medida dos nossos conhecimentos - pode pôr-se ao largo desta questão. Chegou o momento de sermos mais ecológicos. Chegou o momento de exigirmos condenações exemplares a quem comete crimes ambientais. Chegou o momento de actuarmos e não ficarmos à espera que os Movimentos Ecologistas se ocupem de uma coisa que a todos diz respeito. Afinal, é da VIDA que estamos a falar.


Comentar


Comentários

Nome: Sílvia Gusmão | Data: 2009-12-22 10:39:36

Chegou momento de assumirmos os nossos deveres para com a Vida. Devemos exigir o que estamos dispostos a fazer: Reduzir, reciclar e reutilizar.

A mudança também se opera indivíduo a indivíduo e não só em grandes Cimeiras.

Só a partir do momento em que todos agirmos é que os Chefes de Estado vão actuar pois só nesse momento vão precisam de nos influenciar para manter o poder.

Mas será que temos coragem para isso? Ou será que nos iremos  continuar a esconder debaixo da falsa verdade de que cada um de nós não consegue mudar o mundo?

Sonho com o Poder que todos juntos temos.



Voltar