Loading...

Blog

  • Natal 2009

    tags:

    Estamos a pouco mais de um mês do Natal. O tempo já começou a mudar, vê-se na aurora, vê-se no dia, vê-se nas tardes e nas noites. Corre uma frescura nova, as noites são agora mais curtas. Curtas são também as economias, não estivéssemos nós a viver uma das maiores crises de que há memória. Mas as ruas e os Centros Comerciais estão engalanados (e desde Outubro!), como que a dizer a cada um de nós: venham, venham, comprem.

     

    Lembro-me bem do tempo em que púnhamos o sapatinho na chaminé e ficávamos ansiosos à espera dos presentes do Pai Natal. Lembro-me de mal dormir e da algazarra que fazia ao chegar de manhãzinha à chaminé, ainda que as prendas se resumissem a um carrito e a uma peça de roupa para vestir, bem longe da bicicleta com que sonhara. Mas eram belos tempos, com a família a conversar à volta de uma mesa ampla, enquanto se comia o bacalhau, as batatas e as couves, numa primeira leva, e as rabanadas, as filhoses e os sonhos, logo a seguir.

     

    Confesso que gosto cada vez menos dos Natais modernos que a máquina consumista nos vem impondo. Começou o dilema, há um sem-número de prendas que é preciso comprar. Vou ao Top Ten dos livros e fico algo desapontado, dou uma vista de olhos à publicidade que colocam na minha caixa de correio e perco-me com tanta coisa. Coragem, penso, preciso de tempo e coragem para comprar presentes para todos.

     

    E de repente dou comigo a pensar: e se em vez de comprar prendas (para quem provavelmente já tem tantas), eu comprasse para quem as não tem? Ou ainda: e se em vez de comprar prendas, canalizasse esses meios para as Associações de Apoio e de Caridade?


Comentar


Comentários

Nome: Sílvia | Data: 2009-11-23 11:18:15

Tenho uma amiga, chamada Carla Baptista, que apenas possui a constante necessidade de precisar de bens essenciais para a sua sobrevivência diária. Mas esta minha amiga possui uma coisa que a distingue a capacidade de partinhar o pouco que tem.

Curiosamente ela não precisa de ganhar o euromilhões para fazer a diferença nas pessoas que a rodeia, curiosamente ela não precisa que ter as suas necessidades básicas preenchidas para ajudar o próximo.

O que distingue um Homem com meios, sejam eles quais forem, é o que ele faz com eles.

Esta minha amiga deixa-me orgulhosa, mas também envergonhada. Por isso acho que este Natal te apoio nesta vontade de dar onde que é preciso.

Acho que podemos, junto de todas as pessoas com quem trocamos prendas, de fazer um apelo para tranformar essas prendas em ajuda para os meninos do Rodrigo em Moçambique.

Beijos

 



Voltar