Loading...

Blog - Novembro 2012

  • Elogio da Madrasta

    tags:
    0 comentários

    Mário Vargas Llosa não se contenta com menos, agudiza-nos os sentidos ao ponto de ficarmos suspensos até à última linha. E a seguir suspiramos fundo, já com pena de termos de nos separar da Lucrécia, de Rigoberto e de um demoniozinho chamado Fonchito.

    O Elogio da Madrasta – que se lê num abrir e fechar de olhos –, é um livro arrojado, sensual, um pouco perverso até, mas extraordinário na sua atroz e embriagante beleza.

    O Elogio da Madrasta
    Mário Vargas Llosa

  • Quem é então o culpado?

    tags:
    0 comentários

    Quem é então culpado?

    Aqui, os doentes seleccionados no quadro de um dispositivo legal eram recebidos num edifício por enfermeiras profissionais, que os registavam e despiam; havia médicos que os examinavam e os conduziam a uma câmara estanque; um operário administrava o gás; outros procediam ao trabalho de limpeza; um polícia estabelecia a certidão de óbito. Interrogadas depois da guerra, cada uma das pessoas diz: Culpado, eu?

    A enfermeira não matou ninguém, limitou-se a despir e a acalmar doentes, gestos correntes na sua profissão. O médico também não matou, confirmou apenas um diagnóstico segundo critérios estabelecidos por outras instâncias. O servente que abre a torneira do gás, aquele que portanto mais se aproxima do homicídio no tempo e no espaço, efectua uma função técnica sob o controle dos seus superiores e dos médicos. Os operários que esvaziam a câmara fornecem um trabalho de higiene necessário, bastante repugnante, de resto. O polícia observa o procedimento que lhe compete, consistindo em comprovar um óbito e em registar que este teve lugar sem violação das leis em vigor.

    Quem é então culpado? Todos ou ninguém?

    Extracto do livro As Benevolentes, de Jonathan Littell.

    Dou comigo a estabelecer paralelismos com os tempos que correm, relativizando, é claro, pois poucas coisas há que se possam comparar com os horrores da Segunda Guerra Mundial.

    A minha pergunta, porém, é a mesma: Quem é agora o culpado? Todos ou ninguém? Certo, certo, é que enquanto ouvimos a música da crise e a necessidade da austeridade – leia-se, enquanto somos trucidados – há quem vá atulhando os bolsos.


Voltar